Buscar
  • Carvalho Pereira Fortini

Artigo: Projeto de lei que altera a Lei de improbidade Administrativa, é aprovado na Câmara



Por Caio Cavalcanti


A Lei de Improbidade Administrativa, desde o seu nascedouro, é alvo de críticas, reflexões e discussões contundentes. Um novo capítulo desse debate aconteceu em Brasília na última quarta-feira, dia 16/06/2021, quando a Câmara dos Deputados aprovou, por 408 (quatrocentos e oito) votos a 67 (sessenta e sete), o Projeto de Lei nº 10.887/18, que pretende alterar substancialmente a Lei nº 8.429/92.


A proposta aprovada, de Relatoria do Deputado Federal Carlos Zarattini (PT), divide opiniões, o que é natural, porque toca justamente em pontos que há anos são os principais objetos das polêmicas envolvendo o tema da improbidade administrativa.


Certamente uma das principais mudanças é a extirpação do ato ímprobo culposo, de forma que serão penalizados nos moldes da Lei nº 8.429/92, se exitoso o PL nº 10.887/18, apenas os atos dolosos, que são aqueles praticados com intenção, com o intuito deliberado.


Quanto a isso, decerto a novidade não agradou os agentes de controle, a exemplo dos membros do Ministério Público. Contudo, a verdade é que já era majoritário entre os administrativistas o entendimento no sentido de que a improbidade administrativa não se harmoniza com os atos culposos, na medida em que não há como ser desonesto ou corrupto – notas características do ato de improbidade – mediante imprudência, negligência ou imperícia.


No que se refere ao suposto sepultamento do ato de improbidade violador de princípios, isso, na realidade, não ocorrerá se aprovado o PL. Diversamente, o que acontecerá – e com todas as razões jurídicas para tanto – é uma maior tipificação e delimitação para a condenação do agente público por violação a princípios administrativos, algo que hoje é totalmente banalizado e vulgarizado, a ponto de culminar com medo de administrar, gerando o que se denomina apagão das canetas.


Outra mudança diz respeito ao prazo prescricional para o ajuizamento da ação de improbidade, que aumentará de 5 (cinco) para 8 (oito) anos. Essa mudança, se por um lado enfraquece a segurança jurídica dos acusados – na medida em que a estabilização das relações jurídicas demandará mais tempo –, por outro favorece o desenvolvimento mais cauteloso do inquérito civil prévio e a construção de um arcabouço probatório mais robusto para amparar a ação. Na prática, não raras as vezes ações de improbidade administrativa são ajuizadas às pressas em virtude do advento do prazo prescricional, de modo que o alongamento dele, em maior ou menor medida, propulsiona a construção de um procedimento investigatório mais qualificado.


De mais a mais, outra modificação é a atribuição exclusiva ao Ministério Público para o ajuizamento da ação, o que, claro, não impede outras formas de controle por parte das entidades lesadas pelo ato ímprobo. De qualquer modo, embora a Lei nº 8.429/92 preveja outros legitimados para tanto, a verdade é que na prática o Ministério Público já é o responsável pelo ajuizamento da maioria das ações de improbidade nos quatro cantos do país.


Várias outras mudanças virão à tona se aprovado definitivamente o Projeto de Lei nº 10.887/18, no entanto, foge do objetivo desta pequena manifestação o aprofundamento em cada um desses temas, que merecem análise profunda e mais detida. Resta-nos aguardar se o PL terá o mesmo êxito no Senado e, posteriormente, se será sancionado pelo Presidente da República, e, se assim for, decerto estaremos diante de uma das principais mudanças legislativas da última década.

30 visualizações0 comentário